BIO

Felipe de Ávila Franco (1982) é um artista visual brasileiro radicado na Finlândia desde 2013. Suas abordagens artísticas são conduzidas pelo olhar da biopolítica e da estética ambiental, explorando as fronteiras entre a escultura e outros suportes. Suas obras incorporam resíduos industriais e outros materiais como rejeitos construtivos, derivados petroquímicos e solo contaminado recolhidos de regiões de intensa atividade industrial ou onde desastres ambientais tenham sido reportados. Por meio da combinação de técnicas tradicionais e experimentais, esses materiais são transfigurados em esculturas, séries de cerâmica, vídeo projeções e instalações, além de sistemas eletromecânicos e outras intervenções.

 

Sua pesquisa aborda conceitos de materialidade que traduzem em suas obras a distopia industrial dos nossos tempos. Sua abordagem à escultura discute a mesma como uma prática que pode materializar temporalidades e dimensões para refletir sobre o encontro entre as escalas do humano, do não-humano e do planeta. Através do seu processo artístico a arte pode ser abordada como ferramenta para despertar novas perspetivas de conhecimento, estabelecendo relações interdisciplinares entre questões humanísticas e científicas. Lançando um olhar crítico sobre a emergência ambiental, sua obra evoca a arte como mecanismo para ativar uma discussão mais profunda sobre essa contaminação material e imaterial que a própria sociedade que a produz está sujeita, reafirmando ser humano e o entorno como entidades interdependentes. 

 

Atualmente, o artista vive na Finlândia e desenvolve seus trabalhos entre a América Latina e a Europa. Suas obras integram coleções distintas como o Museu de Arte Brasileira, em São Paulo, e a Galeria Nacional Finlandesa Kiasma, em Helsinque.

Felipe de Ávila Franco 2020
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram

V

Solo Exhibitions

2021 - How to Postpone the End - HAM Helsinki Art Museum - Helsinki, Finland

2019 - Insolit Solids - Hanaholmen Gallery - Espoo, Finland
2018 - Residue Resides - Third Space - Helsinki, Finland

2017 - Archaeology of the Anthropocene - ExLab Project Room Gallery - Helsinki, Finland

2011 - “Vs.” - Galeria de Arte da COPASA - Belo Horizonte - MG, Brazil

 

Selected Group Exhibitions
2022 - Subterranean - Amos Rex Museum - Helsinki, Finland

2022 - Points of Return: Artists respond to climate crisis - Virtual Exhibition 

2021 - Point of No Return: Attunement of Attention, at NART annual exhibition - Narva, Estonia

2020 - Fragile Times - Galerie im Körnerpark - Berlin, Germany
2020 - Da Humanidade: 100 artists from the collection - MAB Museu de Arte Brasileira - São Paulo, Brazil 

2019 - Coexistence: Human, Animal, and Nature in Kiasma's Collection - Finnish National Gallery Kiasma - Helsinki, FI

2018 - 3rd Internacional Tbilisi Triennial - Tbilisi, Georgia

2018 - On fragility: Omnia vanitas - Galeria Myötätuuli - Rahee, Finland

2018 - Impact 10 / Encuentro - Santander, Spain

2017 - Aaltopeltiä ja amarylliksiä / Irises and Iron Wire - Kallio Kunsthalle - Helsinki, Finland

2016 - S.O.S: Save Our Souls: Art for a Time of Urgencies - Seoul, South Korea

2016 - KuvanKevat MFA Degree Show - Exhibition Laboratory - Helsinki, Finland

2016 - Non-Parallel Process - Exhibition Laboratory - Helsinki, Finland

2016 - Kuvataideakatemian näyttely - Exhibition Laboratory - Helsinki, Finland

2015 - Kuvanveisto & Taidegrafiikka - Corner Space Gallery - Helsinki, Finland 

2015 - Animal locomotion - DeLaCharge Gallery - Brussels, Belgium

2014 - Silence: Absence of communication - Fafa Gallery - Helsinki, Finland

2014 - Siltojen Välissä - Jämsänjoen Varrella - Jämsä, Finland

2013 - Duermevela - University of Antioquia Art Gallery - Medellin, Colombia

2012 - European Exchange Academy exhibition - Cunda Island Art Gallery - Ayvalik, Turkey

2010 - “Tudo a Ver” project - Espaço das Artes - Contagem - MG, Brazil

2009 - “The Prophet” performance photos - Galeria Ipê - Nova Lima - MG, Brazil

2008 - [ ] etc... - Mamacadela Espaço de Arte - Belo Horizonte - MG, Brazil

2008 - X Mostra Interna Guignard - Escola Guignard - Belo Horizonte - MG, Brazil

Collections
2021 - Helsinki Art Museum HAM (Finland)

2018 - Museum of Contemporary Art Kiasma (Finland)

2018 - Finland’s Prime Minister Sauli Niinistö Office (Finland)

2017 - Museum of Brazilian Arts MAB-FAAP (Brazil)

Received grants and prizes

2022 - TAIKE Supplementary Grant  

2021 - SvenskaKulturfoundation - Project Grant 

2021 - SRK - Expenditure Grant  

2021 - TAIKE - Artist Grant  

2020 - TAIKE - Supplementary Grant  

2019 - LABVERDE - Selected project grant  

2019 - SKR - Artist Grant 

2019 - TAIKE - Expenditure Grant  

2018 - TAIKE - Display Grant  

2017 - Finnish Art Society - Young Artist Grant  

2017 - TAIKE - Project Grant

2017 - Kuvataideakatemia - Kuva Grant

2012 - Minc - Cultural Exchange and Art Dissemination

2008 - Exhibition Prize at X Mostra Interna Guignard 

 

Residences 

2019 - KAI Art Center Residency Program - Tallinn, Estonia

2019 - LABVERDE International Residency Program in the Amazon Rainforest - Amazonas, Brazil

2017 - FAAP-SP International Artistic Residency Program - São Paulo, Brasil

2015 - DeLaCharge - Animal Locomotion - Brussels, Belgium

2013 - Casa Tres Patios & Universidad de Antioquia - Medellin, Colombia

2012 - EEA12, European Exchange Academy - Ayvalik, Turkey

 

Education

2017 - MFA Visual Arts - Academy of Fine Arts / University of the Arts Helsinki - Helsinki, Finland

2009 - BFA Visual Arts - Escola Guignard - State University of Minas Gerais - Belo Horizonte-MG, Brazil

2005 - BFA Social Communication - UNI-BH, University Centre of Belo Horizonte - Belo Horizonte-MG, Brazil
2002 - TEC Graphic Design - INAP Art & Project Institute - Belo Horizonte-MG, Brazil

Presentations / Lectures / Seminars 
2021 - Lecture at Contemporary Investigations Seminar - Faculdade Armando Álvares Penteado - FAAP - São Paulo, Brazil
2021 - 'II Encontro Internacional Lusófono Todas as Artes | Todos os Nomes' - FLUP, UPorto - Porto, Portugal

2021 - II COMbART: Art, activism and citizenship, an event organized by the Project Artcitizenship - FLUP, UPorto - Porto, Portugal

2020 - ‘Transitions in Tension’ at the class “Morphologie des Körpers und Raums“ at Viena Academy of Arts - Viena, Austria

2019 - 'The artist in Transit' at Escola Guignard UEMG at State University of Minas Gerais - Belo Horizonte, Brazil

2019 - Lecture at 'Artistic process in the expanded field' at UFAM at Federal University of Amazonas - Manaus, Brazil

2019 - 'Residue Resides' at COMbART - International Conference on Arts, Activism and Citizenship - FLUP, UPorto - Porto, Portugal

2018 - 'Intuitive structure and the rematerialization of the artist' at Globe Art Point - Helsinki, Finland

2018 - Matter Seminar - Research Group from Department of Design in Aalto ARTS - Hiap, Suomenlinna - Helsinki, Finland

2017 - 'Residue Resides - Art from environmental contamination' at Nordic Symposium - Vartiosaari - Helsinki, Finland

2016 - The Hybrid Matters Symposium, Theater Academy - University of the Arts Helsinki, Finland

2015 - Practical training with the artist Villu Jaanisoo - Helsinki, Finland

2015 - Practical Training with the artist Marcus Copper - Helsinki, Finland

2014 - SAMA courses - Sibelius Academy - Helsinki, Finland

Other productions

2020 - Curation of Ville Virkkilä: Perheen Aarteet/Family Treasures exhibition at Arkadia Gallery - Helsinki, Finland

2016 - Collaboration at Polyphonic Discussion - Intervention on equality & aesthetic of knowledge

             with Jacques Ranciere - University of the Arts Helsinki and HIAP - Helsinki, Finland

2016 - Design, structure, and mechanics - Landscape Machine by Pia Männikkö - Helsinki, Finland

2016 - Structure design/consultant  - Modern Machine by Gregoire Rousseau - Munchen, Germany

2016 - Structure design/consultant - Structure, Object, Sculpture by Gregoire Rousseau - Turku, Finland
2016 - Design, structure, and mechanics - Hauta / Grave by Erika Erre at Forum Box Gallery - Helsinki, Finland 

2015 - Structure advising - Superposition by Gregoire Rousseau - Helsinki, Finland

2011-2015 - Founder partner and art producer at Imagna Visual - Art direction/Producer - Belo Horizonte, Brasil
2011-2012 - Collaborator in Portal Sul web-magazine - Culture magazine editor - Belo Horizonte - MG, Brasil 
2011 - Art producer of 'Museu: Observatório' by Eduardo Coimbra (RJ) at MAP Pampulha Art Museum - Belo Horizonte, Brasil

2011 - Art producer at Palácio das Artes for the 29th São Paulo Biennial / Pieces Selection Itinerancy - Belo Horizonte - Brasil

2010 - Art producer of 'I in U' by Laurie Anderson (NY) solo exhibition at CCBB-SP - São Paulo - Brasil
2009-2010 - Art producer Assistant at Palácio das Artes - Belo Horizonte - Brasil
2008-2009 - Graphics Producer at Populus Advertisement Agency - Belo Horizonte - Brasil
2003-2006 - Trainee/Design Assistant at Big Jack Design Studio  - Belo Horizonte - Brasil

IMPRENSA


 

O mineiro Felipe de Ávila tem ganhado destaque na Finlândia, onde vive desde 2013, em função de sua pesquisa acerca da materialidade escultórica do resíduo derramado no desastre em Mariana. O artista conta que mudou-se para o país europeu por conta de seu mestrado, que explora questões sobre a ruína, abordando destroços e rejeitos em busca de uma memória coletiva.

Lucas Buzatti - Jornalista em Jornal Hoje em Dia
http://hojeemdia.com.br/almanaque/cria%C3%A7%C3%B5es-e-pesquisas-art%C3%ADsticas-mant%C3%AAm-em-pauta-a-trag%C3%A9dia-ambiental-de-mariana-1.624716

A escultura Ode to Anthropocene do artista Felipe De Avila atrai imediatamente a atenção e prepara o clima para toda a exposição. À primeira vista, a ampulheta de cor negra da obra de De Avila poderia referenciar Walter de Maria na tradição da escultura minimalista, mas um olhar aproximado revela sua verdadeira natureza: a superfície da escultura é na verdade uma camada petróleo que flui e escorre constantemente de cima abaixo pela parte externa da estrutura. Atuando como uma analogia com o Antropoceno - o período geológico provocado pela ação da sociedade humana do pós industrial - o fluido na superfície da escultura parece estático mas se move de forma constante e quase imperceptível. Como um sistema autônomo, Ode ao Antropoceno de Felipe de Avila é como uma ode à impossibilidade da utopia tecnológica oferecida pela modernidada.

 

Laura Kokkonen - Mustekala Kulttuurilehti (Mustekala Revista Cultural)

Artigo sobre o trabalho Ode ao Antropoceno na exposição KuvanKevat 2016
http://mustekala.info/kritiikit/kuvan-kevat-2016/

Na exposição Arqueologia do Antropoceno de Felipe de Ávila, os traços modificados de vida e comportamento humanos se transformam em estratos distópicos de futuro. As escavações arqueológicas do artista sobre percepção do tempo e do espaço nos levam a uma jornada ao longo dos tempos, revelando a nossa própria necessidade primária de sobreviver e nos proteger até o ponto de um retorno impossível. Felipe de Ávila vê a arte como uma ferramenta composta de diferentes componentes - ele combina escultura, pintura e escrita usando a impressão em 3D, bem como o vídeo, a fim de alcançar a forma certa para a idéia por trás de cada trabalho. As justaposições materiais e as contradições temáticas seguem de um trabalho para outro, obrigando-nos a questionar nossos esforços em relação a questões geopolíticas, transferência de energia, natureza e seus recursos. O movimento e a transição às vezes são pouco distinguíveis, como o petróleo escorrendo sobre tijolos artesanais empilhados buscando algum equilíbrio como estrutura estável. As arcadas dentárias impressas em 3D mergulhadas em concreto como um kit de sobrevivência cotidiano, mas também como uma importante fonte de informação do pós-morte, nos traz de volta às questões de mortalidade e à nossa presença frágil na Terra. As tentativas de construir paredes, moldar o futuro e diminuir a velocidade do processo de morte nos parecem sombrias e desesperadas, quando representadas como descobertas arqueológicas sob a forma de drogas, jogos de azar e objetos antigos de tradição e culto, que há muito perderam seu significado original. Juntas, as obras dessa exposição constituem um caminho em que a natureza e a sociedade são desconstruídas em fragmentos, expondo muitos futuros simultâneos, mas contraditórios, em um sistema baseado em relações materiais já fora de controle. A exposição do artista brasileiro Felipe de Ávila (1982) forma a segunda parte de sua tese de mestrado em escultura na Academia de Belas Artes de Helsinque.


Katariina Timonen - Curadora
Memorial conceitual escrito para a exposição Arqueologia do Antropoceno -  2017
https://www.uniarts.fi/en/events/fri-16122016-1454/felipe-de-avila-archaeology-anthropocene

Ode to Anthropocene (2016) é um trabalho excepcionalmente ousado e tecnicamente complexo para ser apresentado no contexto da exposição do estilo salão de arte (Kuvan Kevät 2016). Apesar do ambiente heterogêneo, o trabalho se destacou com uma qualidade monolítica. Ao criar um fluxo constante de óleo industrial escuro escorrendo pela escultura de aço inoxidável em forma de ampulheta, Felipe de Ávila formula uma sinistra metafóra para as lacunas e aspectos auto-destrutivos da modernidade. Ele se refere ao conceito de “modernidade fluida”, cunhado pelo falecido filósofo Zygmunt Bauman e ao fazer referência ao Antropoceno, Felipe de Ávila se dirige diretamente ao debate ambiental e geológico envolvendo o conceito, que se intensificou nos últimos anos. Não menos importante, o “Antropoceno” teve uma forte influência nos discursos da arte - valendo a pena mencionar como artistas como Nestori Syrjälä e Axel Straschnoy, notórios da cena artística finlandesa que abordaram o tema por outros ângulos. Ode to Anthropocene mostra como Felipe domina trabalhos em escala, onde a escultura de grande dimensão consegue ocupar e controlar o espaço circundante com impacto impressionante. Foi na minha opinião o trabalho que se destacou mais forte em toda a exposição Kuvan Kevät 2016. Sua materialidade e forma o conectam à uma estética industrial funcional, ao mesmo tempo que se aproxima da autoridade de uma escultura do modernismo tardio. Os aspectos cinéticos do trabalho relacionam-se com questões de tempo e a espacialidade, combinando a presença estática de uma escultura sólida com o fluxo temporal - e com a fluidez em si - do líquido. Este é um trabalho que reúne a abordagem abstrata modernista com as preocupações ambientais e os discursos dos tempos atuais.

 

Pontus Kyander - Curador 
https://no.wikipedia.org/wiki/Pontus_Kyander

Felipe de Ávila constantemente apresenta dicotomias materiais e conceituais em seus trabalhos. Situações onde o arranjo material cria um questionamento, um apontamento abrangente e não focado no objeto em si, mas criando um novo signo. Seus trabalhos são desenvolvidos a partir de material vario, onde a carga ideológica que permeia os objetos permite ao imaginário criar um outro. As tríades compõem em cada imagem uma intenção perfeitamente palpável dentro de sua imaterialidade, onde opostos ou paralelos se tornam complementares. Dimensões que até então eram somente brutas emergem para além da própria substância e ganham um sentido de peso e leveza mútuos que se equilibram.

Marcus Vinicius Correa Carvalho - Historiador

Memorial conceitual escrito para a exposição VS. na Galeria de Arte da COPASA -  2011
https://www.scribd.com/document/57919540/VS-Marcus-Vinicius-Correa-Carvalho